Campanha Pela Liberdade Aos Inocentes: BASTA DE PRISÕES FORJADAS E INJUSTIÇA NA QUEBRADA!

O GOI/Palavra Operária tem participado das ações e da campanha pela liberdade de Alexssandro, Kelvim, Erick e Rafael, quatro jovens presos por um crime que eles não cometeram no Capão Redondo.

Reproduzimos abaixo o texto e a petição criada para divulgar essa campanha e solicitamos o apoio e a solidariedade de todos os lutadores e lutadoras para ampliar o movimento! Só a luta unificada dos de baixo poderá libertar nossos irmãos e irmãs presos injustamente!

“Dia de 18 de Dezembro completou-se um mês da prisão forjada de Alexssandro, Kelvim, Erick e Rafael. Os quatro jovens, que são moradores do Parque do Engenho, região do Capão Redondo, periferia da zona sul de São Paulo, foram presos e acusados, sob falsa alegação e sem provas, por envolvimento com um crime de interceptação e roubo de carga. Rafael, jovem especial, é o único que conseguiu ser solto, mas segue em prisão domiciliar.

Desde então, familiares, amigos, entidades e ativistas da região tem se organizado para lutar e exigir justiça. Já foram realizados 5 atos, panfletagens, reportagens, mas continuamos sem respostas!

Na última semana, as famílias conseguiram incorporar ao processo as provas de sua inocência. Isso nos deixou na expectativa e na esperança de que eles fossem soltos antes do recesso de final de ano do judiciário. Porém, na quinta feira, 17/12, recebemos a notícia dos advogados de que o promotor responsável pelo caso se negou a analisa-las e que a liberdade provisória aos jovens foi negada pela justiça.

Mesmo sabendo que a justiça tarda e falha quando se trata dos mais pobres, seguimos nos mobilizando e somando forças para lutar contra a injustiça. No domingo, 20/12, as famílias estiveram reunidas com a Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio. A rede atua em defesa da vida, contra a violência do Estado, articulada por diversos movimentos sociais, profissionais e moradores em busca de Proteção e Resistência ao Genocídio nos territórios periféricos do estado de São Paulo. Eles já acompanham mais de 50 casos de prisões forjadas e se colocaram à disposição das famílias para ajudar com o caso dos jovens do Parque do Engenho.

Importante ressaltar, só pra se ter uma ideia da gravidade disso tudo, no Brasil, segundo um estudo publicado em 2009, pelo Doutor em Direito Penal, Luiz Flávio Gomes, 42,9% dos presos são presumidos inocentes. Este estudo, mesmo sendo de uma década atrás, revela que existe uma política de encarceramento em massa sendo aplicada em nosso país e que precisamos lutar por um novo modelo de segurança pública, que sirva não aos interesses das classes dominantes, mas do povo pobre e trabalhador.

São inúmeros os casos de violação aos nossos direitos democráticos, civis e legais. Lembremo-nos de Rafael Braga, jovem negro preso em 2013 por simplesmente portar um Pinho Sol.

Enquanto os filhos dos pobres e trabalhadores ficam anos na prisão por um crime que não cometeram, os ricos e poderosos, muitas vezes verdadeiros criminosos, são soltos, pagam fiança ou conseguem a liberdade provisória e o direito a prisão domiciliar para ficarem em suas mansões. Isso tudo só nos mostra como a justiça tem lado!

O que aconteceu com os jovens do Parque do Engenho não é um caso isolado. Diariamente recebemos notícias, conhecemos pessoas ou temos familiares que passaram por situações como esta. Por isso precisamos nos unir e dizer basta!

A pandemia escancarou as desigualdades e a opressão que sofremos nas quebradas e periferias. Muitos jovens estão desempregados, ficaram sem poder ir para as escolas, sem ter acesso ao ensino à distância e muitos, inclusive, nem tem onde morar.

Alexssandro, Kelvim, Erick e Rafael foram as vítimas do sistema desta vez, mas se não lutarmos por eles e por tantos outros irmãos e irmãs que passam por isso todos os dias, unificando nossas lutas, a violência contra a juventude das periferias não terá fim!

É por isso que chamamos a todas as entidades da classe trabalhadora, sindicatos, movimentos sociais, do rap/hip hop, movimentos de juventude, de luta contra as opressões, partidos e organizações da nossa classe, personalidades da cultura e das artes a se somarem nesta luta pela liberdade aos inocentes.

-> Precisamos unificar nossas lutas e enfrentar a violência, a opressão e a repressão policial na periferia!
-> Precisamos lutar pelo fim das prisões forjadas!
-> Precisamos lutar por dignidade, cultura, lazer e trabalho para os jovens das favelas e quebradas do nosso país!
-> Precisamos lutar por um novo modelo de segurança pública!

Conclamamos a todos aqueles e aquelas que se identificam com estas pautas que se somem ao nosso chamado, ajudem a divulgar nossa luta (@liberdadeaosinocentes no Facebook) e assinem e compartilhem a petição clicando aqui para conseguirmos libertar nossos irmãos! A vitória desta luta será uma vitória de todos nós!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s