Conjuntura Nacional (parte 1) – Recessão e inflação pioram condições de vida da classe trabalhadora

Disponibilizamos às/aos nossas/os leitoras/es a Análise de Conjuntura Nacional realizada pelo GOI, com data de 15/9/2021. Vamos publicá-la em três partes.

A economia do país tende, na melhor das hipóteses, a seguir estagnada nos próximos meses. A tão anunciada recuperação pós-pandemia, na realidade se mostrou pífia. Os economistas já falam em estagflação, que significa a combinação de estagnação econômica com alta inflação. Isso não dará trégua aos males que assolam a classe trabalhadora: arrocho salarial, desemprego e subemprego, jornadas de trabalho estafantes, aceleração dos cortes de direitos e da precarização do trabalho, sucateamento dos serviços públicos (Saúde, Assistência Social, Moradia, Saneamento, Educação, etc.). E a nova crise hídrica já anunciada. A hipótese pior seria um agravamento da recessão, o que não pode ser descartado.

Os principais dados econômicos são os seguintes:

PIB (projeções da MB Associados): 2020: -4,1%; 2021: 4,7%; 2022: 1,4%. [https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/09/01/pib-do-brasil-recua-01percent-no-2o-trimestre.ghtml]

Desemprego/Subemprego (pesquisa IBGE, julho/2021): 33 milhões de trabalhadores subutilizados, assim subdivididos:

14,8 milhões de desempregados (2 milhões a mais que em maio de 2020): pessoas que não trabalham, mas procuraram empregos nos últimos 30 dias;

7,4 milhões de subocupados (1,6 milhão a mais que em maio de 2020): pessoas que trabalham menos de 40 horas por semana, mas gostariam de trabalhar mais;

10,8 milhões de pessoas na força de trabalho potencial (1 milhão a menos que em maio de 2020), composta por pessoas que poderiam trabalhar mas não trabalham: este grupo inclui 5,7 milhões de desalentados (300 mil a mais que em maio de 2020), ou seja, que desistiram de procurar emprego, e outras 5,1 milhões que podem trabalhar, mas que não têm disponibilidade por algum motivo, como mulheres que deixam o emprego para cuidar dos filhos. [https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/09/01/pib-do-brasil-recua-01percent-no-2o-trimestre.ghtml]

Salários (dados DIEESE): Mais da metade dos reajustes salariais (52,3%) ficou abaixo da inflação (INPC-IBGE) no primeiro semestre, só 16,5% tiveram ganhos reais, enquanto 31,2% dos reajustes foram equivalentes à variação da inflação. Dados se referem a cerca de 4.700 acordos e convenções coletivas realizadas no 1º semestre de 2021. [https://www.redebrasilatual.com.br/economia/2021/07/reajustes-salariais-perde-inflacao-primeiro-semestre/]

Cesta básica (dados DIEESE): o custo da cesta básica já é, em todos os estados, de cerca de metade do valor do Salário Mínimo. Em São Paulo, a cesta básica custa R$ 650,50, 63,93% do Salário Mínimo. [https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/09/08/cesta-basica-ja-consome-ate-65percent-do-salario-minimo-mostra-dieese.ghtml]

Estes elementos econômicos refletem não apenas uma crise conjuntural, mas também uma crise estrutural da economia do país, a decadência de suas forças produtivas e do peso relativo do Brasil no conjunto da economia capitalista mundial. Expressões desta decadência estrutural são: a desindustrialização e volta à dependência das exportações primárias (agroindústria, minérios), a queda da participação no PIB mundial.

A crise provoca o aumento da concorrência no interior da burguesia, com empresas e até setores inteiros indo à bancarrota (por exemplo, as empresas do complexo automotivo afetadas pelo fechamento da FORD). Num capitalismo cada vez mais parasitário, a crise acirra a luta entre as diferentes frações da burguesia pela disputa das benesses e proteção do Estado, (privatizações, investimentos, liberação de pagamento de impostos, exploração da Amazônia e das terras indígenas, etc.). A principal forma de parasitismo dos capitalistas nacionais e imperialistas sobre os recursos do estado é a dívida pública, que consome quase 40% dos recursos do Orçamento Federal, o que equivale a R$ 1 trilhão, 381 mil reais, fortuna que é desembolsada anualmente para os banqueiros e agiotas nacionais e imperialistas. A aplicação destes recursos em investimentos públicos para a melhoria das condições de vida do povo pobre e trabalhador poderia dar um salto na qualidade de vida da população. Mas, o pagamento em dia desta dívida é garantido pelas “vacas sagradas” da doutrina econômica burguesa-imperialista: a Lei de Responsabilidade Fiscal, o Teto de Gastos,  e as “reformas” (trabalhista, previdência, administrativa, etc.) e privatizações que desmantelam os serviços públicos e os serviços de proteção social (previdência, seguro saúde, SUS, etc.). 

Gastos do Orçamento Federal – 2020 – Fonte: Auditoria Cidadã da Dívida

O peso da crise é descarregado sobretudo sobre as classes subalternas: o proletariado e a pequena burguesia.

Na sociedade capitalista sempre existiu um elevado contingente de trabalhadores sem direitos, submetidos a condições de trabalho sub-humanas, além de um grande setor de desempregados. A crise crônica do capitalismo torna o desemprego de milhões de pessoas algo estrutural na sociedade. Estes contingentes da classe trabalhadora alternam períodos de emprego e desemprego, ora como assalariados precarizados, ora como autônomos, ora como desempregados. A maior parte da juventude trabalhadora das gerações mais recentes vive nesta situação. A profissão mais emblemática deste contingente tem sido os entregadores por aplicativos. A destruição dos direitos trabalhistas e dos estatutos de carreira do funcionalismo público e de estatais faz crescer exponencialmente o número de trabalhadores precarizados, em todos os setores da economia. Apenas para dar um exemplo, na categoria de professores da rede estadual de São Paulo, segundo a Apeoesp, 57,1% dos professores da Educação Básica I e 34,3% da Educação Básica II são precarizados.

O processo de destruição e precarização vem se dando pelo menos desde os governos de FHC (PSDB), nos anos 1990, quando foram feitas as primeiras leis de “flexibilização” da CLT (banco de horas, contratos temporários) , a primeira “reforma” da Previdência ( que acabou com a aposentadoria por tempo de trabalho) e a privatização de várias estatais (Vale do Rio Doce, Telebrás, CSN e outras). Nos governos da frente popular (Lula e Dilma) esse processo se desacelerou, mas os governos de coligação do PT com a burguesia mantiveram as medidas antioperárias aprovadas nos governos de FHC, e Lula fez mais uma “reforma” da Previdência (atacando principalmente o funcionalismo público). Com a estalido da crise capitalista em 2008, a burguesia se viu na necessidade de dar um salto nos ataques à classe trabalhadora. Dilma retomou os ataques diretos à CLT no segundo mandato, e as dificuldades de seu governo para acelerar as “reformas” antioperárias exigidas pela burguesia foram uma das razões de seu afastamento do poder. Com o golpe de 2016, sob Temer, a burguesia afundou o pé no acelerador das “reformas”, com a aprovação de 3 leis: a do Teto de Gastos (que congela os salários do funcionalismo e a realização de concursos); a das Terceirizações e a “reforma” Trabalhista. Bolsonaro se elege com o lema “mais empregos e menos direitos”, e dá sequência aos ataques de Temer, com a nova “reforma da Previdência” (que praticamente decretou o fim da aposentadoria para as novas gerações), as leis de redução de salários durante a pandemia, e agora avança para a privatização dos Correios e da Eletrobras, a “reforma” Administrativa, o Marco Temporal, a Minirreforma Trabalhista, Carteira Verde Amarela e inúmeros outros decretos e projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional.

É importante destacar que todos os setores burgueses, sejam pró-Bolsonaro ou “oposição” a ele, estão unidos na defesa da política econômica antioperária de Bolsonaro-Guedes, que, como vimos, dá continuidade aos ataques que vêm dos governos anteriores. A demolição de nossos direitos é realizada também pelos governadores (PLC 26, de Dória) e prefeitos (fim do 14° salário do funcionalismo em Taboão). E o STF e todas as instâncias do Poder Judiciário sacramentam estes ataques.

A pequena burguesia é assolada também, à sua maneira, pela crise e decadência do país: a insegurança econômica permanente causada pelos ciclos de crescimento e recessão, a concorrência dos grandes monopólios, o peso das dívidas bancárias e dos impostos, a falência dos pequenos negócios, o que leva ao desespero causado pela destruição de seus sonhos de ascensão social, etc.

Resumindo, a crise crônica do capitalismo mundial, a decadência estrutural do país, a estagnação econômica que se arrasta desde a crise mundial de 2008, estão na base da luta de classes que se aprofunda no país, dos enfrentamentos entre as frações da burguesia, da instabilidade, desespero e mobilização da pequena burguesia e do descontentamento e raiva crescente do proletariado, que até este momento está contido pela política traidora de suas direções.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s