O vírus da crise capitalista

Reproduzimos a declaração da Corrente de Trabalhador@s Revolucionári@s, da Argentina, organização com a qual o GOI mantém relações internacionais.

Nosso povo e o mundo inteiro estão enfrentando uma das maiores crises sanitárias da História. O Coronavírus, cujas origens despertam grandes suspeitas, deixa nítida a verdadeira face do Capitalismo: a barbárie e o extermínio físico da humanidade.

Com a pandemia, tem se demonstrado o fracasso das receitas do Imperialismo e do Neoliberalismo, a privatização da saúde, da ciência e a tecnologia a serviço da guerra e da destruição. Para nós, os socialistas e revolucionários, não se trata de um “castigo divino”, nem uma mensagem da natureza, se não uma consequência deste sistema capitalista em decomposição, onde as riquezas das grandes multinacionais, bancos e organismos de crédito, como o FMI, valem muito mais que a vida de milhares de trabalhadores e pobres que vivem em condições de fome e miséria.

É por esta razão que consideramos que a única solução para esta crise sanitária mundial e para evitar o genocídio massivo dos povos, é que nos, trabalhadores de todo o mundo, devemos tomar esta luta em nossas mãos.

Em nosso país já se contabilizam mais de 700 infectados e 17 mortos. E os números só aumentam diariamente. Com uma quarentena obrigatória e com as forças de segurança vigiando as ruas, a pior parte é carregada pelos trabalhadores e desempregados. Para aqueles que antes do vírus não tinham um salário ou aposentadoria, não conseguiam um emprego e com os “bicos” não se chegava ao fim do mês, agora a situação se tornou um calvário.

O Presidente Alberto Fernandez assegura que o Estado está “presente” e anunciou medidas diferentes para monotributistas, beneficiários da AUH e trabalhadores informais que não recebem ajuda social.

Mas, estas medidas, são mais que insuficientes frente à escalada dos preços e a especulação das grandes redes de varejo que retém as mercadorias e produzem desabastecimento. Acaso alguém pode viver com 10.000 pesos?

A face mais crua dessa realidade está nos bairros mais humildes. Onde as salas de jantar e as áreas de piquenique não são suficientes. Onde a fome e a necessidade estão se tornando mais agudas. Eles são as vítimas silenciosas do coronavírus. Onde o Estado ainda não se fez presente.

Por outro lado, a situação deplorável dos hospitais públicos revela o esvaziamento e desinvestimento em saúde pública. Lá, os profissionais de saúde, que fazem malabarismos para cuidar dos pacientes, começam a denunciar a falta de materiais e a exigir condições de segurança e higiene para sua própria proteção. Já que, em muitos casos, não contam nem com luvas ou máscaras.

Atualmente, o governo federal destina 4,4% do orçamento nacional para a saúde. Isto representa $ 224.307 milhões. Enquanto apenas na cidade de Buenos Aires, em Fevereiro deste ano, foram destinados 277 milhões de dólares para pagar credores. E os bancos, em 2019, embolsaram ganhos de $ 314.000 milhões. Está claro que tanto no governo de Macri como no de Fernández a saúde não é uma prioridade. Apoiamos as reclamações dos trabalhadores da saúde e fazemos eco de suas demandas.

A “Unidade Nacional” está entre os trabalhadores. Alberto Fernández pede a unidade de todos os argentinos para fechar permanentemente a rachadura. O Presidente nos pede que se vire a página, não apenas com as Forças Armadas, mas também com Macri, Gustavo Nardelli (proprietário da Cicetin) e todos os empresários que a usaram durante o governo anterior, como as empresas de energia, os bancos privados que ganharam $ 3.000 milhões por dia graças as taxas de Leliq, as grandes empresas de cereais e latas de óleo que ganharam milhões em exportações agrícolas, graças à diminuição das retenções. E todos aqueles que fugiram com seus dólares para o exterior com a “bicicleta financeira” do macrismo.

Nós repudiamos esta Unidade Nacional com os que afundaram o país no desemprego e na miséria. Mas também com aqueles empresários que pretendem descarregar a sua crise sob as costas dos trabalhadores. Aproveitando-se da situação para suspender ou demitir seus empregados e rebaixar salários, como estão sugerindo desde a UIA e como já fizeram a companhia aérea LATAM e Techint.

Frente a trágica e desesperante situação que vivem os trabalhadores, os patrões mostram sua insensibilidade e ganância, obrigando-nos a seguir trabalhando ao invés de estar de quarentena “obrigatória”, sem sequer garantir as condições de prevenção e segurança para não contrairmos o vírus. Algo que se repete em distintos países do mundo. É por isso que no dia 25 de março os operários da Itália e trabalhadores da Colômbia protagonizaram manifestações contra seus respectivos governos.

Sob todos os tipos de pressão e manobras para declarar suas atividades “essenciais”, os empresários da indústria querem aumentar seus lucros à custa da saúde e da vida dos trabalhadores e de suas famílias. Tudo isso diante dos olhos das autoridades governamentais e da cumplicidade da direção sindical traidora da CGT e CTAs.

Plano operário de Emergência Nacional para combater o vírus a serviço do povo trabalhador!

Por tudo isto, desde a Corrente de Trabalhadores Revolucionários (CTR), propomos que sejam os trabalhadores que tomem a frente desta situação, organizando-se em cada fábrica, lugar de trabalho e estudo, e em cada bairro para mobilizar-se e exigir dos sindicatos, da CGT e CTAs, um Plano Operário e Popular de Emergência Social e Sanitária com base nos seguintes pontos:

  • Nacionalização do sistema de saúde sob controle dos trabalhadores. Todos os postos e clínicas privadas devem estar sob a centralização do Estado. Restituindo o acesso universal à saúde como um direito e não como uma mercadoria.
  • Nacionalização de toda a indústria farmacêutica para assegurar a produção, distribuição e comercialização dos medicamentos. Para garantir remédios baratos para a população e medicamentos gratuitos para os aposentados e pacientes de risco.
  • Triplicação do orçamento para a saúde pública, a ciência e a pesquisa científica. Aumento salarial e mudança no piso permanente para todos os trabalhadores da saúde.
  • Expropriação de empreendimentos imobiliários privados (edifícios e complexos de moradias) e propriedades da especulação para a construção de novos hospitais e de moradias populares.
  • Plano nacional de obras públicas para dar emprego aos milhares de desempregados e as cooperativas.
  • Nacionalização dos bancos e depósitos bancários para destinar esses recursos a um Plano produtivo para distribuição de alimentos, materiais e equipamentos hospitalares.
  • Altos impostos para as mineradoras, petroleiras, empresas de energia e agroexportadores.
  • A vida ou a dívida! Suspensão imediata do pagamento da dívida externa e aos credores. Investigação e auditoria pública da dívida.
  • Estatizar as grandes empresas alimentícias sob controle operário.
  • Que as empresas de cerais, farinha e a indústria láctea doem obrigatoriamente 20% de sua produção para as cantinas escolares e populares.
  • Criação de um Conselho Nacional de grãos e carnes para fornecer mercadorias baratas e de qualidade para a população. Priorizando o consumo interno.
  • Aumento emergencial de todos os salários, aposentadorias, pensões e assistências sociais.
  • Subsídios igual a da cesta básica para os monotributistas e trabalhadores informais.
  • Subsídios para as cooperativas e fábricas recuperadas para produzir insumos como álcool em gel, máscaras, macas e todo tipo de móveis para equipar os hospitais.
  • Reconversão da indústria nacional para produção de equipamentos hospitalares, respiradores e artefatos médicos e cirúrgicos.
  • Controle popular de preços por comissões de bairro e organizações sociais em cada bairro. Sob pena de expropriação e confisco dos bens de grandes supermercados que aumentem os preços.
  • Que as redes de supermercado doem sacos de mercadoria aos bairros mais pobres sob controle dos movimentos sociais e comitês de bairros.
  • Reverter as tarifas de luz e gás ao preço de 2015. Cancelamento de todas as dívidas dos usuários.
  • Comissões de bairros para denunciar o abuso de autoridade das forças de segurança nos bairros e exigir que se retirem imediatamente e controlar os próprios moradores o cumprimento da quarentena. Exigindo kits de higiene e prevenção ao município. Distribuição de sacos de alimento entregues pelo exército através das escolas e cozinhas comunitárias.
  • Comissões de base nas fábricas e empresas para controlar o cumprimento das medidas de segurança, higiene e proteção ao vírus. Parando a produção se não forem respeitadas. Sendo os trabalhadores que determinem se sua atividade é essencial ou não.
  • Proibição por lei de demissões e da redução de salários. Estatizando sob controle operário as empresas que não cumpram estas normas.

Sim, como disse o presidente, “estamos em guerra contra um inimigo invisível”. Estas medidas devem ser executadas de imediato para proteger nossas vidas e a de nossas famílias. Não confiamos que ele o faça, pois até agora ele fez vista grossa para todos os abusos das forças de segurança nas ruas e para os patrões que se aproveitam para demitir e reduzir salários dos seus trabalhadores. Mas, confiamos na organização e mobilização da classe trabalhadora para sair e lutar! Porque essa “guerra” é contra aqueles que saquearam o país, destruindo a saúde pública, a educação e o trabalho. São eles que devem pagar os custos da crise. Não os trabalhadores.

CTR (28/3/2020)

Um comentário em “O vírus da crise capitalista

  1. No me gusta quedarme en casa todo el tiempo, pero las calles son insoportables si tanta gente me está aburriendo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s