Quem fará justiça por Marielle e Anderson?

Por Sandra Fortes

Há inúmeros acontecimentos na luta de classes, cuja falta de resposta é a própria resposta. Dentre estes, a morte de Marielle Franco e Anderson Gomes: “Quem matou Marielle e Anderson?”

Digo que a falta de resposta é a resposta porque todas as “infrações de leis” cometidas por pobres, pret@s, periféric@s são rapidamente identificadas, divulgadas e punidas. Basta que olhemos para o sistema carcerário: milhões de pretos, pobres, periféricos, inocentes, presos, fora os que não sobreviveram ao julgamento impiedoso da polícia que assassina nas ruas.

A recente divulgação de uma sentença de 2016 da juíza “Lissandra Reis Ceccon, cujo espanto por um “ladrão assassino” não ter estereótipo de “bandido”, por possuir “pele, olhos e cabelos claros”, evidencia  a análise, julgamento e aplicação da lei por parte da justiça burguesa que  tem um olho aberto para enxergar e punir “bandidos” pobres, pretos e periféricos, ao mesmo tempo que os verdadeiros bandidos ricos, brancos, proprietários de empresas, fábricas, comércios e bancos (ou quem comete crimes a mando destes) nunca são enxergados pela justiça burguesa, que para estes é cega. A justiça ou não os vê, ou não os pune, ou a punição é relâmpago, ou branda, saindo rapidamente da cadeia, porque estão doentes, porque têm filhos pequenos, porque um monte de desculpas. Tornozeleiras eletrônicas e prisões domiciliares em mansões e condições que nenhum ou nenhuma pobre vai alcançar durante sua breve ou longa vida, são os “castigos” que recebem @s burgues@s, quando recebem. Exemplos disso são as prisões de Eike Batista, Marcelo Odebrecht, o médico estuprador Roger Abdelmassih ou ainda Adriana Ancelmo.

A classe trabalhadora mundial que diariamente dá seu sangue, seu suor e sua vida para enriquecer empresári@s dos agronegócios, das indústrias, dos comércios, dos bancos, sabe que a Justiça para nós não existe. São aluguéis altos, barracos apertados, viadutos como moradia. São marmitas e pratos carentes de nutrientes, caros, que nossos salários compram cada vez menos. É a fome!  São transportes coletivos caros, lotados, desumanos. São postos de saúde e hospitais públicos sem nenhuma condição de trabalho ou atendimento. É a cotidiana perseguição policial de pobres, jovens, pret@s, lgbtts, imigrantes, indígenas. É a restrição da nossa liberdade!

Cadê a Justiça d@s juízes de toga, com pompas, com salários e auxílios aluguéis impublicáveis, com holofotes para julgamento dos criminosos e corruptos, que agora acha justo aumentar nosso tempo de trabalho, de contribuição e de idade para aposentar e para trabalhar nas condições cada vez mais difíceis em que trabalhamos, com a Reforma da Previdência de Bolsonaro e dos patrões? Aumentam nosso tempo de trabalho, reduzem o valor dos benefícios previdenciários de milhões de trabalhadoras e trabalhadores, enquanto perdoam 500 bilhões de reais de dívidas de empresas com a Previdência.

Esta Justiça completamente burguesa não é das trabalhadoras e trabalhadores! É para os ricos e poderosos, como os diretores da Vale que assassinaram conscientemente centenas de trabalhadoras e trabalhadores em Mariana e Brumadinho. Até agora não houve e não haverá punição adequada ao tamanho do crime: cadeia para a direção da empresa e reestatização da Vale, sem indenização, sob controle dos trabalhadores e trabalhadoras. Assim como a Vale, inúmeras empresas no mundo matam trabalhadoras e trabalhadores apenas para aumentar seus lucros.

Quem matou Marielle e Anderson?

Quem matou Amarildo?

Quantos anos de cadeia pegaram os policiais que arrastaram Cláudia na viatura?

E o playboy que atropelou, arrancou o braço do trabalhador e jogou no rio?

Cadê o Thor Batista que matou um trabalhador ciclista?

Por que a direção da Vale não está na cadeia?

Quem punirá os responsáveis pelas milhares de mortes de africanos no mar Mediterrâneo, buscando chegar na Europa à procura de trabalho?

Quem punirá o estado assassino de Israel pelos assassinatos diários do povo palestino?

Uma coisa tem em comum os crimes citados acima: foram e são cometidos por burgueses e burguesas, ric@s, proprietári@s, em nome do Capitalismo, para aumentar os lucros, o acúmulo de riquezas. Portanto sua “justiça” não os vai punir.

A lei e a punição existem apenas para a Classe Trabalhadora. Prova disso também, além das cadeias lotadas de pobres, pret@s e periféric@s, são as cercas e muros que impedem pelo mundo a passagem de pobres e oprimid@s pelas fronteiras impostas pelo Imperialismo.

A burguesia temia Marielle Franco. Preta, pobre, lésbica, periférica, de luta, vereadora pelo PSOL que no parlamento e nos movimentos sociais investigava e lutava contra poderosos e suas milícias no Rio de Janeiro. Assassinos e exploradores de milhares de jovens, pret@s, pobres e periféric@s, assassinos de Amarildo, de Cláudia, de tantas e tantos outros de nossa classe.

Portanto, nenhuma confiança na Justiça burguesa para identificar e punir os assassinos de Marielle Franco e Anderson Gomes, barbaramente assassinados em 14 de março de 2018. Nenhuma confiança na Justiça Burguesa para proteger a vida das lutadoras e lutadores da nossa Classe!

A segurança da vida d@s que lutam e são perseguid@s e ameaçad@s pela burguesia tem que ser feita pelas mãos da nossa classe organizada, pelos sindicatos, movimentos e partidos da nossa classe. “Paz entre nós! Guerra aos senhores e senhoras do Capital”. Abaixo toda forma de discriminação e preconceito em nossa classe que deve romper com o racismo, machismo, lgbttfobia, xenofobia e tudo que desagrega a nossa unidade para a luta.

A justiça dos assassinos das mulheres, homens e crianças da nossa classe só será feita com a retirada das terras, fábricas, máquinas, transportes comércios, bancos e armas das mãos da burguesia. Esta classe de parasitas que se nutrem do nosso sangue e suor: quando trabalhamos e produzimos as riquezas que nos “roubam”, ou quando a incomodamos ou ameaçamos suas propriedades com nossas lutas.

Marielle vive em nossas lutas por uma sociedade sem exploração, sem opressão, uma Sociedade Socialista!

Marielle vive em nossas lutas contra a Reforma da Previdência de Bolsonaro e dos patrões!

Marielle vive na luta pela estatização da Vale e de todas as empresas devedoras da previdência.

Marielle vive nas lutas por Lula livre!

Marielle vive nas nossas lutas pelo fim do Capitalismo, pelo Socialismo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s